sábado, 31 de outubro de 2009

O barco


Estava sentado em uma grande pedra a observar o mar. As ondas traziam e levavam vida, e eu refleti que além das ondas existe o infinito azul, infinito este que eu desejo e um dia irei conhecer. Com esse desejo, apareceu um branco e lindo barco. Engraçado que neste barco não havia tripulantes. Senti que algo chamava minha atenção e caminhei em direçao ao barco. Subi cada degrau e me sentei em um lugar ao lado direito, com uma bela vista para este infinito.
Na medida que me aproximava deste infinito, sentia saudade, não do que eu havia deixado para traz, mas o que talvez pudesse sentir após o regresso.


Então esse barco chegou e nesse momento, não contive as lágrimas. Logo a frente deste infinito, pude observar duas crianças, percebi que seus olhos eram tão brilhantes do que jamais alguma coisa que já tinha visto, senti que eram minhas, mas ao mesmo tempo, não eram. Estava confuso, mas continuei a caminhar em direçao a elas, Na medida em que caminhava, observava que no chão havia uma trilha para eu poder seguir. Essa trilha levou-me a uma caverna e, por incrível que pareça era a caverna mais iluminada que conheci, observei as paredes, o teto, as fontes de agua e percebi uma forte luz no final desta bela caverna. E la, bem no fundo, estavam as duas meninas.


Elas apontaram para uma brilhante pedra e percebi que elas queriam que eu a tocasse naquela pedra, e ao tocar, senti que minhas forças foram renovadas, e que estava pronto para voltar.
Não pude toca-las mas a luz dos seus olhos eram como a luz da brilhante pedra. Comecei a perceber que foram elas que enviaram aquele barco, o qual me trouxe em segurança. Percebi que mesmo distante de mim, elas sabem que minhas forças precisam ser renovadas.
Agora já estou de volta, e sei que o infinito esta dentro de mim.

3 comentários:

  1. Um belo texto! Cheio de imagens, significados e reflexões. Gosto imenso, desde quando começou a surgir.

    ResponderEliminar
  2. Que lindo. Essa força são suas filhas...

    ResponderEliminar